Lei da UE pode forçar a Apple a tornar as baterias do iPhone mais fáceis de substituir

⎯⎯ continua após a publicidade ⎯⎯

A Apple lançou o programa de reparo de autoatendimento no início deste ano, que permite consertar uma variedade de dispositivos em casa, se você estiver se sentindo aventureiro. Isso inclui a substituição da bateria do iPhone – um procedimento de rotina que muitos iPhones antigos poderiam usar. Mas substituir a bateria não é fácil. Você precisa de equipamentos especializados da Apple para fazer o trabalho. É uma ideia melhor levar seu iPhone a um profissional.

Mas e se a Apple fizesse um iPhone com uma bateria fácil de substituir? A União Européia (UE) pode forçar a Apple e todos os outros fabricantes de dispositivos alimentados por bateria a garantir que os usuários possam substituir as baterias com facilidade.

A UE já está exigindo que a Apple faça mudanças significativas no iPhone mais rapidamente do que a Apple poderia desejar. Devido à nova legislação do bloco europeu, o iPhone ganhará uma porta USB-C, talvez ainda este ano. Alternativas da App Store de terceiros podem chegar ao iPhone como cortesia de uma conta da UE diferente.

⎯⎯ continua após a publicidade ⎯⎯

A Apple poderia ter adotado essas mudanças em seus próprios termos, supondo que quisesse implementá-las. Por exemplo, a mudança para USB-C parecia improvável antes da nova lei da UE. A Apple era vista como mais propensa a lançar um iPhone sem botões e sem porta que recarregaria sem fio em vez de usar Lightning ou USB-C.

Pode ser para onde o iPhone está indo. E esse design de iPhone não se beneficiaria ao tornar a bateria substituível pelo usuário. Um dos grandes efeitos colaterais de fazer um iPhone sem porta é que o dispositivo se torna à prova d’água. Desmontar o iPhone em casa para substituir a bateria não parece uma boa ideia nesse caso.

Design da bateria do iPhone 13 Pro Max.
Design da bateria do iPhone 13 Pro Max. Fonte da imagem: iFixit

Dito isso, podemos estar a anos de tal lei. A nova proposta de legislação da UE visa reduzir o desperdício e melhorar a experiência do usuário com dispositivos movidos a bateria, como o iPhone.

Mas, por enquanto, o Parlamento e o Conselho da UE chegaram apenas a um acordo provisório sobre todos os tipos de baterias:

⎯⎯ continua após a publicidade ⎯⎯

As regras acordadas abrangerão todo o ciclo de vida da bateria, desde a concepção até ao fim da vida, e aplicam-se a todos os tipos de baterias vendidas na UE: baterias portáteis, baterias SLI (fornecimento de energia para arranque, iluminação ou ignição de veículos), baterias de meios de transporte leves (LMT) (fornecendo energia para a tração de veículos com rodas, como scooters e bicicletas elétricas), baterias de veículos elétricos (EV) e baterias industriais.

A UE quer que as baterias sejam mais fáceis de remover e substituir e os consumidores sejam mais bem informados, explica o comunicado de imprensa. Fabricantes como a Apple terão então 3,5 anos para cumprir a nova lei:

Três anos e meio após a entrada em vigor da legislação, as baterias portáteis dos eletrodomésticos devem ser projetadas para que o próprio consumidor possa removê-las e substituí-las com facilidade.

Em outras palavras, a Apple pode ter até o final da década para tornar a bateria do iPhone mais fácil de substituir. Isso parece assustador, mas se alguém pode criar um design de iPhone à prova d’água com uma bateria substituível pelo usuário, essa pessoa é a Apple.

O maior problema para a Apple pode ser dispositivos menores como os AirPods. Estes são notórios pela incapacidade de substituir a bateria. Eles se tornam resíduos quando a bateria acaba.

A nova lei não é sobre o iPhone ou AirPods, no entanto. Diz respeito a todos os dispositivos ou veículos movidos a bateria. O objetivo geral da proposta da União Europeia é tornar as baterias mais seguras para o meio ambiente. Os fabricantes também terão que coletar baterias usadas e reciclar vários metais para uso em outras baterias.

⎯⎯ continua após a publicidade ⎯⎯